Conservação da sociobiodiversidade:

Percepção de risco em duas comunidades pesqueiras do Nordeste do Brasil

Paulo Wanderley de Melo, Maria Elisabeth de Araújo e José da SIlva Mourão

Projeto de Mestrado (2019)

Em estudos de etnobiologia, o termo “percepção ambiental” é amplamente empregado nas pesquisas, porém tais percepções são difíceis de serem acessadas por meio de entrevistas devido aos filtros fisiológicos, psicológicos e culturais dos participantes.

 

Desse modo, o que realmente se tem são as representações ambientais do indivíduo, que podem ser investigadas para o entendimento dos riscos.
 

Estes são compreendidos como circunstâncias potencialmente desfavoráveis expostas a um indivíduo e também chamados de agentes modificadores (drivers) por Mcfield; Kramer (2007).

Os riscos ambientais que impactam a biodiversidade, atingem diretamente

populações de pescadores artesanais que dependem do pescado para sobreviver.

A compreensão da percepção ambiental - a partir das suas representações - é fundamental para que se busque conservar os ecossistemas e a cultura local.

 

Contudo, muitas pesquisas caracterizam-se pela desvinculação das populações humanas que vivem tradicionalmente nos diversos ecossistemas.
 

Recomenda-se que as ações conservacionistas sejam adequadas à realidade local,
incorporando o conhecimento de comunidades extrativistas na elaboração de estratégias de conservação, caso contrário podem apresentar o efeito inverso.

OBJETIVO

Analisar a percepção de risco dos pescadores sobre os impactos antopogênicos à conservação da sociobiodiversidade, com destaque para o despejo de esgoto não-tratado lançado no estuário do Rio Formoso (PE); utilizando-se como grupo comparativo (controle) a comunidade pesqueira da Barra de Mamanguape (PB).
 

REFERÊNCIAS

ALBUQUERQUE, U. P. et al. Methods and Techniques Used to Collect Ethnobiological Data. In: ALBUQUERQUE, U. P. et al. Methods and Tecniques in Ethnobiology and Ethnoecology. 1. ed. New York: Humana Press, 2014. p. 15–37.
ALBUQUERQUE, U. P.; ALVES, A. G. C. O que é etnobiologia? In: ALBUQUERQUE, U. P. Introdução à etnobiologia. 1. ed. Recife: NUPEEA, 2014. p. 189.
MCFIELD, M.; KRAMER, P. Healthy Reefs for Healthy People: A Guide to Indicators of Reef Health and Social Well-being in the Mesoamerican Reef Region.
With contributions by M. Gorrez and M. McPherson. 208 pp. Belize City, 2007.
NETO, E. M. DE F. L. et al. Domesticação de plantas. In: ALBUQUERQUE, U. P. DE. Introdução à etnobiologia. 1. ed. Recife: NUPEEA, 2014. p. 127–141.
SILVA, T. C. DA et al. Percepção de risco. In: ALBUQUERQUE, U. P. DE. Introdução à etnobiologia. 1. ed. Recife: NUPEEA, 2014. p. 65–73.
SILVA, T. C. DA; ALBUQUERQUE, U. P. DE. O que é percepção ambiental? In: ALBUQUERQUE, U. P. DE. Introdução à etnobiologia. 1. ed. Recife: NUPEEA,
2014. p. 55–63.

 

Grupo de Ictiologia Marinha Tropical

Departamento de Oceanografia

Centro de Tecnologia e Geociências

Universidade Federal de Pernambuco

Entre em contato:

Siga-nos:

  • Facebook ícone social