P     R     O     J     E     T     O

Recrutamento de peixes 

em naufrágios de Pernambuco

Pernambuco é conhecido pela prática do mergulho em naufrágio por possuir 111 naufrágios ao longo de sua costa (SINAU, 2017) e legislação específica para proteção desses ambientes (PERNAMBUCO, 2001) tornando-os locais adequados para pesquisas ecológicas marinhas. Nos naufrágios da capital (Recife) a maioria dos dados ictiológicos são de indivíduos juvenis e adultos, desconhecendo-se quais espécies que recrutaram e se o aporte larval é relacionado com o recrutamento, deixando uma pergunta sobre o papel dos recifes artificiais na ecologia dos peixes. Recrutas de peixes recifais são indivíduos que acabaram de passar de larvas para um estágio associado a estrutura do recife (VICTOR, 1991). O sucesso pós recrutamento das espécies pode ser determinante para o tamanho das populações de adultos (JONES, 1990; LEWIS, 1997).

A investigação sobre o transporte larval e recrutamento de peixes é fundamental para compreensão da contribuição desses locais para o ambiente marinho (CARR; HIXON 1997). Dessa forma a metodologia empregada utilizará estruturas de agregação de peixes para obtenção dos recrutas, mergulhos autônomos para determinação de composição da ictiofauna adulta dos naufrágios e determinação de característica hidrológicas e hidrodinâmicas das regiões estudadas. As informações obtidas neste projeto servirão como linha de base para entendimento da dinâmica do recrutamento de peixes nos recifes artificiais, fortalecendo os dados conservação e preservação desses ambientes e dos organismos associados.

O estudo é desenvolvido nos naufrágios Pirapama, Taurus e Virgo, localizados na zona costeira do estado de Pernambuco, entre 9-13km de distância do Porto do Recife, na isóbata de 25m.

Métodos

Coleta de Recrutas

Os recrutas de peixes são coletados utilizando estruturas para agregação de peixes: uma composta por uma armação de tela plástica cilíndrica com 80cm de altura e de malha de 2x2cm, preenchida com 9m de tela plástica laranja com 5x7cm, chamada “S.M.U.R.F” (sigla para Standard Monitoring Unit for the Recruitment of Fish) segundo AMMANN (2004), e outra composta apenas pela rede plástica de malha 2x2cm enrolada em forma cilíndrica com 50cm de altura, chamada A.R.M. (sigla para Artificial Reef Mooring)(SCHROEDER, 1987; PAIVA et. al, 2015) (Figura 1 e 2).

No primeiro momento foram testados os dois modelos de estruturas. Após testes, o modelo mais eficiente será utilizado para coletas quinzenais com posicionamento de três sistemas em cada ponto estudado.

O posicionamento e recuperação das estruturas é feito por mergulho autônomo. Os recrutas coletados são anestesiados com eugenol e sacrificados e preservados em câmara refrigerada. É coletada uma amostra de tecido de cada um, fixada em álcool 92%. O restante do indivíduo é fixado em formol 4% e preservado em álcool 70% para posterior visualização e identificação através de caracteres morfotaxonômicos.

Censo de adultos

Em mergulho autônomo, são anotados o número de adultos de cada espécie de peixe durante transectos por naufrágios. São calculados a diversidade para comunidades formadas nos naufrágios com base no índice de Biodiversidade de Shannon e de Equitabilidade.

Hidrologia e circulação

de Massas d’agua

A partir de outubro de 2017, dados de salinidade, temperatura, oxigênio, clorofila e turbidez da água serão registrados através de sonda CTD. Os dados serão coletados a cada quilômetro em um transecto partindo do porto do Recife até os naufrágios de estudos. Também serão posicionadas nos locais de estudos sensores HOBO para registro contínuo da temperatura. Dados de velocidade e direção de correntes serão registrados com ADCP posicionados nos naufrágios estudados. Todos os dados serão utilizados para criação de perfis verticais e horizontais das massas d’agua.

Autorização

A presente proposta tem Autorização para atividades com finalidade científica SISBIO Número: 55133-2 Data da Emissão: 02/10/2017 14:21

Referências

CARR, M. H.; HIXON, M. A. Artificial Reefs: The Importance of Comparisons with Natural Reefs. Fisheries, v. 22, n. 4, p. 28-33, 1997.

JONES, G. P. The Importance of Recruitment to the Dynamics of a Coral Reef Fish Population. Ecology, v. 71, n. 5, p. 1691-1698, 1990.

LEWIS, R. A. Recruitment and post-recruit immigration affect the local population size of coral reef fishes. Coral Reefs, v. 16, n. 3, p. 139-149, 1997.

PAIVA, M. I. G. et al. Temporal and spatial patterns on the settlement of reef fish larvae in a South Atlantic reef, Bahia, Brazil. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 10, n. 1, p. 19-28, 2015. Atlantic reef, Bahia, Brazil. Panamjas, 10, 2015.

PERNAMBUCO. 2001. Decreto Estadual nº 23.394, de 03 de julho de 2001. Palácio do Campo das Princesas, Recife.

SCHROEDER, R. E. Effects of Patch Reef Size and Isolation on Coral Reef Fish Recruitment. Bulletin of Marine Science, v. 41, n. 2, p. 441-451, 1987.

SINAU – Sistema de Informações de Naufrágios. 2009. Disponivel em: http://www.naufragiosdobrasil.com.br/ pernambuco.htm, acessado em 10 de agosto de 2016.

VICTOR, B. C. Settlement Strategies and Biogeography of Reef Fishes. In: SALE, P. F. (Ed.). The Ecology of Fishes on Coral Reefs. San Diego: Academic Press, 1991. cap. 9, p.231-260.

Grupo de Ictiologia Marinha Tropical

Departamento de Oceanografia

Centro de Tecnologia e Geociências

Universidade Federal de Pernambuco

Entre em contato:

Siga-nos:

  • Facebook ícone social